Pular para o conteúdo principal

Postagens

Discurso de Posse na ALCG

Grandeza desse todo que se sabe/ ser o mistério de uma AcademiaSilvino Olavo


Ilustríssimo Senhor Presidente da Academia de Letras de Campina Grande – ALCG, Professor Phd Josemir Camilo de Melo, ilustríssima vice-presidente Mabel Amorim e ilustre secretário Bruno Gaudêncio; Poeta Lau Siqueira, Secretário Estadual de Cultura; Venerável Mestre Antônio Monteiro Costa Filho, da Loja Maçônica “Dogival Costa” Nº 04 do Oriente de Esperança/PB, minha mãe Glória Ferreira, minha esposa Carmem Lúcia e meus filhos Hauane, Heloíse e Helder, aqui presentes; parentes e autoridades, minhas senhoras e meus senhores.
Devo intercalar, neste meu discurso, uma frase de Silvino Olavo, que sintetiza cada um de seus momentos. Inicio, então, com o “Meu interesse”.

Meu interesse
Na alma do homem só devia ter lugar para duas coisas: o sonho e o amorSilvino Olavo
O meu interesse em torno da vida do poeta surgiu por um acaso. Certo dia, na saída do Colégio quando passava em frente à Praça da Cultura, na minha doc…
Postagens recentes

Pia União das Filhas de Maria, Paróquia de Esperança

A “Pia União das Filhas de Maria” é uma associação católica de caráter devocional formada por mulheres leigas e instituída sob a proteção da Virgem Maria. Costumam usar vestidos e véus brancos e uma fita (azul para as sócias e verde para as aspirantes) com o distintivo de Nossa Senhora das Graças. A medalha cunhada a letra M é encimada por uma cruz e abaixo da monograma de Maria há dois corações representando Jesus (por uma coroa de espinho) e Maria (espada atravessada). A parte traseira é adornada por 12 estrelas, onde de um lado se grava a frase: “Maria concebida sem pecado”, e do outro: “rogai a nós que recorremos a vós”. A organização fraternal remonta à Idade Média (Século XII) a partir de Pedro de Honesti, na igreja francesa de Santa Maria do Porto. Apesar de reafirmada pelo Concílio de Trento (1545-1563), a sua fundação apenas aconteceria com Catarina de Labouré a quem a Virgem apareceu em 1830, cujo manual o Papa Pio IX tornou público em 1848. A Paróquia do Bom Conselho, do Munic…

Sobre poemas e Sol (comentários por José Mário da Silva Branco)

Há uns dias compartilhei alguns poemas da lavra de Silvino Olavo, poeta cuja Cadeira de número 35 devo ocupar na próxima semana (17/11), perante a Academia de Letras de Campina Grande. Não tenho como descrever a alegria de vê-los comentados, num grupo social, com toda a sua técnica, pelo Professor José Mário da Silva Branco, que confessou: “Poeta que estudei na Universidade Federal de Campina Grande, há alguns semestres, quando ministrei a disciplina Literatura Paraibana”. Escritor, crítico literário e imortal da Academia Paraibana de Letras, e já eleito para a Academia Campinense, o Dr. José Mário da Silva Branco é na atualidade o maior nome das letras em nosso Estado, com projeção nacional. Não bastassem esses predicados, é um homem de Deus, evangelizador que tem convertido muitas almas do pecado da morte. “Levei-o para a sala de aula e li vários poemas de autoria dele [Silvino], todos muito bem apreciados pelos alunos”, escreveu o Acadêmico.   Foi então que lhe apresentei o inédito “O…

Gritos da feira

A feira é o ambiente mais cultural que existe, cujo evento se repete a cada semana. Nela encontramos figuras folclóricas, personagens deste teatro ao ar livre que muitas vezes passa despercebida do grande público. Nas mais variadas apresentações, cada um a seu modo faz o seu show angariando a atenção dos consumidores já tão acostumados com gírias, trejeitos e jargões populares. São os “gritos da feira” que de tão tradicionais hoje se tornam inaudíveis. Em nossa pesquisa antropológica recolhemos algumas dessas falas, com a cooperação do amigo Janilson Andrade que inclusive fez os versos que ilustram essa postagem. Mas não basta falar. As palavras soltas ao vento não produzem o alcance desejado. O objetivo do feirante voltar os olhos dos clientes para os seus produtos e isso exige uma entonação de voz característica de um canto orfeônico. Além disso, o seu conteúdo deve possuir um tom de anedota possui o tempero que alegra a freguesia. Pois bem. Entre os vendedores ambulantes é comum se…